* Fantasias Secretas



Penso que todos acabamos por ter uma fantasia talvez mais secreta e mais difícil de realizar, e comigo não era diferente.

Estranhamente, eu imaginava ver a minha mulher nas mãos de outro homem. Como seria? Como ela se iria comportar? Em momentos mais quentes, eu tentava abordar este assunto, com frases do tipo ‘estou a imaginar-te nas mãos do xxx’, e ela alinhava na brincadeira… mas dizendo sempre que seria incapaz, até porque eu era o único homem que já tinha entrado dentro dela.
 
Mas a minha imaginação não parava de pensar naquele momento, e no mundo virtual tentei procurar o homem perfeito para aquele momento, e encontrei. Eu não seria capaz de ver a minha mulher nas mãos de um qualquer.

O João tinha 40 anos, casado, um corpo musculado com muitas horas semanais de ginásio, bronzeado, e era economista no melhor banco do país.

Combinamos secretamente para que aquele momento corresse na perfeição, até porque a mulher dele nem imaginava o que iria acontecer. Mostrei-lhe varias fotos da Susana, a viajar e na praia, e uma vez a fazer topless quando estivemos no Brasil, e o interesse dele era crescente, e ele confessou-me que já se imaginava dentro dela, e prometeu-me que ela iria adorar.

Então, naquela quinta-feira fui jantar com ela a Setúbal, com vista para o rio Sado, num jantar que tentei ser o mais romântico possível, com ela deliciosamente maquilhada. Durante o jantar mostrei-lhe a surpresa que tinha para ela: uma mascara e um cartão de um motel discreto ali próximo. Ela ficou entusiasmada com a minha proposta para aquela noite, onde não podíamos trocar palavras, apenas os corpos…

Quando chegamos, entramos no quarto aromatizado, com a Susana já vendada, não podendo ver aquele corpo despido e depilado, que a ver um filme quente e só para adultos, já esperava por ela. Eu beijei-a, acariciei-a, despi-a, para no momento seguinte a entregar nos braços do João. Que estranha sensação que tanto me excitou. E agora?

Ele foi incrivelmente meigo com ela, beijando-lhe todo o corpo, de uma ponta até à outra, passando por todos os recantos mais íntimos… e as suas mãos realizaram-lhe uma massagem sensual com um óleo com um excelente aroma. Ela ficou terrivelmente entregue ao prazer, sem imaginar o que estava a acontecer. No entanto, no momento que o João lhe colocou a mão nas costas, dando indicação para ela se dobrar um pouco, penetrando-a por detrás,.. Ela vendada soltou um gemido forte, dizendo : ”uiiiii, nem parece tu…” e não era eu,

Ela percebeu que o que entrou dentro dela era maior que o habitual, mais grosso e mais cumprido, e gemeu como eu nunca tinha ouvido, pois ela estava penetrada como nunca, eu eu percebi que ela gostou muito do que sentiu. Era visível a sua excitação. O corpo dela, mexia-se, tremia e de uma forma talvez involuntária, e de uma forma descontrolada ela não cumpriu o nosso acordo e tirou a mascara ficando totalmente surpreendida quando se viu cara-a-cara com o homem que estava dentro dela, e não era eu.

Ela olhou para mim com um ar de condenação pelo meu ato sem autorização, mas ela não parou, antes pelo contrário, aproveitou toda a excitação que estava a sentir naquele momento, tornando-se mais devassa do que nunca, obrigando o João a penetra-la constantemente na sua totalidade, bem fundo com ela a sentir-se totalmente preenchida.

Ela gritou alto, ofendendo-me com palavras feias. Sinceramente parecia-me que ela estava a sentir orgasmos seguidos e intermináveis… de uma forma que eu nunca lhe tinha visto…e percebendo que certamente o João não conseguiria aguentar muito mais tempo, disse à Susana que ela poderia escolher o sítio onde veria ver o prazer quente do João.

Talvez por vingança, ela fez uma escolha surpreendente que eu nunca estaria à espera…. 
Tu nem imaginas… foram as consequências das minhas fantasias secretas… 

* Encontro Anónimo


Tudo aconteceu no ano passado… cruzamo-nos ocasionalmente no mundo virtual no inicio do ano, e demos inicio a uma conversa difícil de terminar. Éramos anónimos, e sempre mantivemos esse secretismo. 

Tornou-se interessante conversar escondido numa mascara, sendo mais fácil conversar sobre todos os assuntos. Confessamos frustrações, declaramos desejos, reconhecemos angústias, manifestamos sonhos… Intelectualmente aproximávamo-nos, e acabei por descobrir que vivíamos na mesma cidade. 

No entanto criamos um problema, pois a curiosidade de nos conhecermos pessoalmente era cada vez maior, mas nenhum dos dois tinha coragem para revelar a sua verdadeira identidade, nem por foto. A ânsia de um encontro crescia dia após dia. Eu queria sentir o seu cheiro e tocar a sua pele. Os dois tínhamos medo daquele duelo, de ficar cara-a-cara, e de sermos descobertos revelando o indesejado. 

No entanto tornou-se impossível adiar eternamente esse momento, e tentamos ser o mais misteriosos possível. Quisemos manter o secretismo, e combinamos perto da igreja de Sta Eufémia, em Sintra… na noite de Natal… combinamos às 20h, com a total convicção que o espaço estaria totalmente deserto. Era um encontro anónimo.

Estacionamos os carros longe um do outro, e caminhamos em passo lento. No ar estava o cheiro a lareira oriundo das casas mais próximas, típico de uma noite fria de natal. Ela estava com uma camisola de gola alta e um gorro, e eu de cachecol e gabardine… tentamos ir disfarçados, não quisemos divulgar facilmente a nossa identidade, mas quando ficamos cara-a-cara, ficamos surpreendidos… Ela era muito melhor do que eu poderia imaginar… e senti que ela também ficou surpreendida comigo… 

A primeira abordagem não foi fácil: “boa noite” de uma forma tímida… olhos nos olhos os rostos aproximaram-se surgindo um discreto mas meigo beijo no lado esquerdo e um beijo ligeiramente provocante do lado direito. Arrisquei que os meus lábios tocaram subtilmente no canto da sua boca. A adrenalina estava no máximo.

Foi um toque primoroso, que quebrou o gelo daquela noite fria. Foi a origem de um abraço forte, quase como agradecimento dos bons momentos que virtualmente vivemos. Bem agarradinhos, eu empurrei-a até as suas costas pararem numa árvore.

Deliciamo-nos mutuamente. Toquei, apalpei, agarrei. Os nossos telefones começaram a tocar, e era normal, pois nas nossas casas tudo estava preparado para a consoada de natal, e nós estávamos desaparecidos. Simplesmente ignorámos… A minha mão fez subir a sua perna direita, que se enrolou na minha cintura, puxando-me contra si… o desejo mútuo já falava muito alto… Ela sentiu perfeitamente o estado em que eu me encontrava…

O corpo dela rodou, pois ela quis sentir-se agarrada por detrás. O meu peito colou-se nas suas costas. As minhas mãos desceram até às suas pernas para fazerem subir o tecido da sua saia. Fiquei surpreendido quando reparei que ela tinha um cinto de ligas.  Sempre a senti ousada. Os meus dedos tocaram-lhe intimamente. Quente.

As mãos dela desapertaram o botão das minhas calças, e puxaram para baixo o suficiente para a minha tesão ficar livre. Não havia volta a dar… Penetrei-a deliciosamente… as mãos dela, agarraram aquela árvore, apoiando-se da força que eu lhe oferecia. Foi profundo e estranhamente delicioso. Eu apenas arrependi-me de não ter sentido aquela mulher mais cedo. Foi impossível aguentar muito tempo… tudo foi rápido, era assim que eu queria, foi assim que ela pediu… foi um delicioso presente de Natal... 

Quando o pecado ficou verdadeiramente consumado, fugimos dali rapidamente, cada um com o seu carro. E o que iria acontecer depois? Eu não sabia nada da vida dela. Verdadeiramente, éramos desconhecidos. Mas eu agora ainda tinha outro problema entre mãos, justificar o meu atraso para a consoada e porque é que não atendi o telefone… tive de arranjar uma mentira bastante convincente…

Foto: image100 (Corbis.com)

* Noite de Natal



No ano passado, fui pela primeira vez passar o Natal em Mogadouro, em Trás-os-Montes, na casa dos avós da Catarina. 

Nunca tinha vivido esta época do ano num sítio com tantas tradições, nem com tanta gente. Aquela casa estava cheia de pessoas, os pais, os avós, os tios e os primos e os sobrinhos. No meio daquela confusão, eu não conseguia estar com ela, e até um simples beijo era motivo para comentários de alguém. 

No nosso quarto, dormiam mais dois primos dela, em dois colchões que estavam no chão. Era quase impossível acontecer algo entre os dois.

Na noite da consoada, a Catarina vestiu uma roupa de “Mãe Natal” para ser ela a fazer a distribuição de prendas. Ficou linda. 

Aquele vermelho fez destacar os seus olhos negros na sua pele muito clara. Eu adorava aquela mulher, e momentos depois do jantar, consegui arrastar a Catarina, e fechei-a no Wc comigo. Disse-lhe que andava desejoso por fazer amor com ela. Ela abriu muito os olhos, e disse que sentia vergonha por a casa estar cheia de pessoas da família.


Depois da distribuição dos presentes, eu e a Catarina estávamos sentados no chão, afastados da lareira mas tapados com um cobertor, para nos protegermos do frio, e mesmo ao nosso lado estavam os primos dela, com quem tivemos a conversar praticamente durante toda a noite. 

Pelo facto de estarmos tapados, e ela estar com aquele vestido, comecei a provocar. A minha mão começou a subir pela sua perna. Sei que estava excitada pelo calor que sentia no seu corpo, e pelo facto de senti-la molhada. Consegui desviar a sua roupa interior, e senti a sua intimidade em contacto com a minha mão.

Nessa altura, chegaram junto de nós, os dois primos mais novos dela, para nos mostrar os brinquedos que tinham ganho de presente. Que altura inconveniente. Ela levantou-se e foi a passos largos para o quarto. 

Senti que ia descontrolada. Fui atrás dela, mas quando lá cheguei, estavam as tias dela a conversar, que ainda por cima retiveram-me, pedindo-me opinião sobre algo sem qualquer interesse.

A Catarina desapareceu. Quando me consegui libertar das tias dela fui procura-la, e encontrei-a, no Wc. Bati à porta, e ela abriu. Ela estava a tocar no desejo que eu lhe tinha provocado. Peguei nela, sentei-a no lavatório. Meti-me de joelhos, e ela de uma forma natural assentou as suas pernas nos meus ombros. 

Aquela posição obrigou a minha língua a funcionar, e muito. Imagina a língua de um cachorrinho em movimentos rápidos, e saberás exactamente o que eu estava a fazer.

Foi a situação ideal para entrar dentro daquele corpo. O nosso desejo era tanto, que nem o facto dos pais dela e os tios estarem a conversar mesmo à porta do Wc, nos fez parar. 

Ela com as suas pernas a envolver a minha cintura, puxava o meu corpo para dentro do dela e sussurrava-me ao ouvido: “tudo, dá-me tudo, quero tudo dentro de mim, bem fundo, marca este Natal no meu corpo. Sente a magia e a força da tua mãe natal… e come-me por completo… o meu corpo é a tua deliciosa consoada de natal… sente o meu sabor, por favor…”

Aquele pedido não podia ficar sem resposta, e enquanto no corredor, toda a família se preparava para a “missa do galo”, e procurava e chamava pela Catarina, eu estava dentro dela, e respondia ao seu sussurro: “és uma safada, uma tarada, uma louca… mas eu adoro-te e vou comer-te toda, bem fundo, vou-te retraçar, vou-te devorar, até porque o teu corpo é meu… vou usar e abusar… e vais sentir-me a ferver dentro de ti, como se eu fosse uma barra de ferro em brasa, pronta para derreter o teu desejo…”

Eu não fiquei sem resposta: “podes tentar fazer o teu melhor, mas o meu desejo não derrete nem desaparece… sabes bem que sou uma mulher insaciável… para mim, o fim de um orgasmo, é o primeiro passo para o seguinte…” A casa ficou vazia, pois toda a família já tinha ido para a igreja. 

Eu e a Catarina, quando percebemos que éramos os únicos, fomos a correr em direcção à igreja, para ninguém notar a nossa ausência, e ficamos sentados na última fila, e enquanto o padre falava para toda a comunidade, a Catarina falava-me de sexo ao ouvido: “deliciosa consoada não foi? Ainda te sinto dentro de mim, pois sinto-me a latejar, sabias? Apetece-me mais, estou cheia de vontade, será que vamos conseguir repetir? ” Isto não são propostas para se fazer numa igreja, pois não?

Foto: Pinto (corbis.com)

* Aroma de Natal

Na perfumaria que existe na minha rua, trabalha a Rute, a filha de uma grande amiga da minha mãe, e nós tínhamos sido colegas na escola primária. Com essa idade passávamos bastante tempo juntos a brincar, mas nos dias de hoje, simplesmente trocamos olhares tímidos e com um certo desejo escondido. 

A loja fechava todos os dias às 19h, no entanto, naquele dia, por ser véspera de Natal, a loja estava a fechar uma hora mais cedo. A Rute ao ver-me passar, fez-me um sinal e pediu-me para entrar. “Era só para te desejar um Feliz Natal”. Ela parecia ter dito umas palavras enfeitiçadas. Eu agradecia, e retribui a simpatia… Aquelas palavras pareciam que tinha um significado secreto, e como fiquei com vontade de ficar ali mais um pouco com ela, comecei a ver os preços dos perfumes.

Ela sorriu e disse-me: “Vou só fechar a porta para não entrar mais ninguém, porque hoje fechamos mais cedo, mas posso ajudar?” … Sim, ela podia ajudar-me e muito, a resolver o secreto mistério de atracção que eu sentia pelo seu corpo… Em silêncio dei um passo para junto dela, e senti que ela ficou incomodada… mas pela positiva… tocar nos lábios dela seria a melhor prenda de Natal que poderia receber naquele dia…

Não sei o que se passou, mas eu diria que a Rute leu o meu pensamento, e os nossos lábios acabaram por se tocar… provavelmente tínhamos acabado de realizar um desejo com mais de vinte anos, que nenhum dos dois tinha coragem de enfrentar… mas os lábios suaves dela, misturados com os cheiros adocicados da loja deixou-me louco, com um sentimento que eu não sentia há muito tempo, de tal forma que as minhas calças não conseguiam disfarçar o volume que se criou. Ela apercebendo-se disso ousou… e colocou no seu pescoço a sua essência favorita, pedindo para o sentir…

Senti, e muito, de tal forma que a minha língua saboreou aquele pescoço, e as minhas mãos tocaram aquele peito, deixando-o bem eriçado e sensível ao toque dos meus dedos. Adorei percorrer com a minha língua naquele peito endurecido. 

Logo de seguida, ela perfumou todo o meu corpo com um creme perfumado para homem que a deixava doida, e saboreou-me por completo, de todas as maneiras que possas imaginar, com a sua língua quente e sedosa, e estupidamente atrevida.

A excitação foi inesperada mas era total, e a chave mestra para eu entrar dentro do seu corpo, foi quando accionei o spray daquele frasco de creme masculino, numa zona do seu corpo que já se encontrava húmida por natureza. Não sei o que aquilo provocou no seu corpo, mas senti o seu total descontrolo.

O corpo dela vibrou com a mistura de sabores, com a força do spray, e com os movimentos perfeitos da minha língua, que tocava por dentro e por fora, nos sítios certos, e que fazia o balcão da loja pequeno para ela se movimentar de prazer. Os minutos passavam, e as horas chegavam, quando ela se apoiando na perfeição naquela mesa de vidro, e agarrada à caixa registadora, empinou-se na perfeição para eu entrar por detrás, e por completo dentro do seu corpo. Aquele desejo foi uma ordem.

As ruas estavam desertas e apenas brilhava a iluminação de Natal, mas o corpo da Rute estava completo com tudo o que ela queria receber, e tudo o que eu lhe queria dar… que mulher fervorosa, quente, deliciosa….. Ela começou-me a pedir mais força, mais intensidade e mais loucura. 

Eu correspondi de forma intensa, e mais uma vez ela surpreendeu-me, quando pegando mais uma vez naquele spray de creme masculino, exerceu a força daquele spray, na zona onde tudo estava a acontecer, deixando tudo mais fresco, mais lubrificado e mais intenso. Ela adorou sentir aquela pressão em toda a sua excitação, tal como para mim foi o impulso final, que deu origem ao orgasmo mais perfumado das nossas vidas.

Incrivelmente, naquela véspera de Natal, conseguimos gastar o frasco por completo nos nossos corpos, mas aquele cheiro nunca mais abandonou aquela loja, até os dias de hoje, e é algo que todos perguntam como é possível aquele cheiro se destacar dos outros… Difícil de explicar, não é?

Foto: Vincent Besnault (Corbis.com)

* Menina da Pastelaria


Faltavam dois dias para o Natal. Os meus pais tinham seguido para a Macedo de Cavaleiros, e eu por motivos profissionais, eu só seguiria mesmo dia 24 à tarde. 

Naquela noite, eu estava só e preparava-me para jantar. Tinha preparado um prato simples, com algumas frutas, pois estava sem paciência, e apenas me apetecia relaxar. A TV desligada, na lareira um lume forte e no leitor de CD corria “Café del Mar”. 

Fiquei apenas de roupão, no sofá, a ler um livro, “Dei-te o Melhor de Mim” de Nicholas Sparks. Naquele momento ouvi baterem-me à porta, e sem estar a contar com visitas, fui apenas de roupão abrir a porta e tive uma surpresa.

Era ela, aquela jovem, que sorria sempre que me atendia na pastelaria da rua, e que era oriunda de uma aldeia, bem perto da terra dos meus pais. Não sei bem o que lhe passou pela cabeça, mas entrou sem pedir autorização, sem dizer uma palavra foi até à sala. Deixou em cima da mesa uma pequena caixa.

Eu corri atrás dela, e ao chegarmos ao sofá, ela agarrou-se a mim e beijou-me demoradamente, tirou-me o roupão e deixou-me só de boxers, beijou-me o peito, e a excitação apoderou-se de mim. Deixei-me levar. Ela retirou o casaco, as calças de tecido preto, ficando apenas de lingerie e com uma blusa totalmente desabotoada.

Os nossos corpos colaram-se, e já deitados no sofá, em frente à lareira, ficaram totalmente despidos um para o outro. Eu nem acreditada no que estava a acontecer. Tudo acontecia sem palavras…

Abri uma garrafa de Moscatel, que tinha em cima da mesa, e entornei o saboroso vinho no seu corpo, a minha língua percorreu cada curva daquela silenciosa mulher, e não queria perder uma gota que fosse, mas adorei saborear o vinho misturado com o cheiro do seu perfume que se tinha instalado na sala.


Ao fundo da sala, a Árvore de Natal continuava a piscar, e ela sentada no sofá, comigo de joelhos à sua frente, a lamber a sua barriga. Ela lançou as pernas sobre os meus ombros, e puxou a minha cabeça conta o seu corpo, quente e desejoso da minha língua.

A minha língua não parou, sempre ao ritmo do melodioso e calmo ChillOut que nos chegava aos ouvidos. Era um ambiente tenso e relaxante. Nunca imaginei que poderia sentir aquela rapariga daquela forma, mas para ela me surpreender daquela forma, desejava-me, e muito.

Quando ela sentiu que a minha língua já tinha feito todo o trabalho, deitou-me no chão de barriga para cima, pedindo o meu corpo sobre o seu. Era exactamente aquilo que ela queria, ser totalmente preenchida por mim, e com uma voz ofegante com um sotaque do norte, ela confessou-me a origem daquela invasão: “…há muito tempo que controlo a tua vida, os teus passos, os teus amigos. Eu sou obcecada por ti… Passo os dias a pensar em ti… não durmo a desejar o corpo. O meu corpo está vazio sem o teu. É incrivelmente obsessivo. Eu tinha de me sentir preenchida por ti… desculpa, mas eu tinha de fazer isto, nem que fosse apenas uma vez na vida… e como sabia que estavas aqui sozinho, vim em busca da minha prenda de Natal…”

Aquelas palavras deram-me um gozo tremendo e respondi-lhe: “usa e abusa… o meu corpo é teu… mata todas as tuas fantasias, realiza todos os teus desejos… quero fazer-te feliz, nem que seja só hoje, só esta noite, mas quero. Sente-te preenchida por mim, sente o meu corpo dentro do teu… Mexe essa cintura, que eu quero ver a dança do teu umbigo. Quero vê-lo a tremer de satisfação… Quero sentir o teu corpo a ferver”.

Aquele jogo de palavras estava a ser o sal daquele momento, e ela respondeu-me: “és incrível, lindo, duro, perfeito… se tu quiseres serei tua para sempre, namorada, mulher, amante… quero-te eternamente dentro mim. Tu não fazes amor, tu fazes loucura e prazer… Vou querer sentir todo o sabor que sai de dentro de ti… bem fundo, na minha boca…”

Foi uma noite de paladares, música, suor e desejo. Eu e ela sentimos o Natal de uma forma muito especial… Foi uma noite inesperada mas incrível? Seria uma noite para repetir?

A caixa que ela deixou em cima da mesa tinha pequenos doces que nos ajudou a manter a energia, pois o fogo da lareira apagou-se, mas o nosso durou até de manhã… O Natal não é partilha?


Foto: Mika (Corbis.com)